Anunciar

Seis benefícios do vinho para a sua saúde. 04/2018 Segunda, 16 de Abril de 2018

Compartilhe

O vinho pode ser considerado um remédio natural? Muitos papiros do Egito antigo (2200 a.C.) já traziam receitas baseadas em vinho e as mais antigas prescrições médicas documentadas, mas foram os gregos que através de experiências e observações transformaram abebida em um dos mais importantes agentes terapêuticos do período greco-romano.  O grego Hipócrates (450 a.C. a 370 a.C.), considerado o pai da medicina ocidental receitava a bebida como complemento nutricional, para desinfetar feridas, aliviar a dor durante o parto, para sintomas de diarréia e letargia. Sua frase "O vinho é uma bebida excelente para o homem, tanto sadio como doente, desde que usado   adequadamente, de maneira moderada e conforme o seu temperamento" ficou famosa e entrou para a história.                         

As propriedades terapêuticas do vinho também são relatadas no Velho e no Novo Testamento, para abrir o apetite, tratar os ferimentos dos viajantes, como anti-séptico e como sedativo. Durante a expansão do Império Romano, recomenda-se que os soldados bebessem vinho para preservar a saúde, se fortalecer e evitar a disenteria, que constituía uma das principais causas de morte na época, devido à ingestão constante de água contaminada

Durante a Idade Média, os monges mantinham bibliotecas, hospitais, farmácias e produziam vinho em seus monastérios. Eles incorporaram o uso do vinho aos seus ensinamentos médicos como complemento nutricional, como agente terapêutico indicando suas propriedades medicinais e para quais tipos de doenças deveriam ser receitados. Nessa época diversos hospitais da Europa passaram a oferecer vinho a seus pacientes e mesmo após o período medieval, os médicos continuaram dando vinho a seus pacientes.

Com o avanço da medicina o vinho foi descrito em farmacopéias de diversos países da Europa e nos EUA, e teve suas propriedades medicinais reconhecidas oficialmente com utilizações nas áreas de neurologia, fisiologia, longevidade, como regulador do colesterol, em problemas cardiovasculares e digestivos.

No princípio do século XX, com a definição do alcoolismo como doença, a visão do vinho como medicamento foi radicalmente alterada e comas proibições ao álcool a prática foi abandonada e mesmo que ainda não haja consenso entre os médicos, continuam crescendo as evidências de que uma taça de vinho por dia pode evitar diversos problemas de saúde. Os estudos continuam e atualmente sabemos que o vinho apresenta diversas substâncias antioxidantes em sua composição, como os polifenóis-flavonóides, taninos, resveratrol entre outras e existe comprovação cientifica que esses compostos podem auxiliar em diversos tratamentos.

Veja alguns exemplos dos benefícios do vinho através de seu consumo moderado:

O vinho pode melhorar a saúde do coração. Seu consumo moderado (até duas taças) de vinho tinto pode reduzir o risco de doenças cardíacas, aumentando o colesterol bom e inibindo a coagulação do sangue o que diminui o risco de aterosclerose. Os polifenóis presentes no vinho tinto também agem inibindo a formação de placas de gordura, reduzindo a inflamação, ajudando a diminuir a pressão arterial, reduzindo a oxidação de lipídios e aumentando a capacidade dos vasos sanguíneos de se dilatar.

O vinho ajuda a preservar a memória mesmo na terceira idade. Isso acontece porque o vinho previne o sangue de coagular e reduz a inflamação dos vasos, ambos relacionados ao declínio de memória.

O Vinho como uma barreira natural do organismo. Basta uma taça diária para diminuir o risco de infecção por bactérias que causam uma série de doenças, como úlceras e gastrites.

O vinho pode retardar o crescimento de células do câncer de mama e da próstata, além de evitar o desenvolvimento de tumores da boca. O resveratrol pode conter o crescimento de células de câncer no fígado e pode reduzir o índice de tumores intestinais, isso sem falar que o vinho não afeta o sistema imune!

O vinho seria capaz de aliviar as condições negativas de saúde mental em casos de sintomas depressivos e demência, atenuando a inflamação e melhorando a transmissão do sinal no cérebro. Seu uso pode ser indicado para melhoria de casos de stress, para melhores interações sociais e a descoberta de novos compostos polifenólicos derivados de uvas podem auxiliar nos tratamentos de pacientes com ansiedade.

O vinho tinto tem propriedades que previnem o envelhecimento. Estes benefícios do vinho são atribuídos especificamente ao resveratrol presente na pele das uvas roxas e às procianidinas, compostos normalmente encontrados no vinho tinto que mantêmos vasos sanguíneos saudáveis. Embora as propriedades do vinho para manter a longevidade sejam ressaltadas desde a antiguidade, somente agora temos pesquisas que realmente atestam o fato.

Seja buscando prazer, perda de peso ou para a saúde corporal geral, o uso dos compostos químicos do vinho em combinação com exercícios físicos regulares e uma dieta balanceada aumentará o seu bem estar e a energia do seu corpo mas nunca é demais lembrar: tudo o que é exagerado é ruim e pode até fazer mal, então beba com moderação!

Fontes de pesquisa:

Harvard Medical School

The European Society of Cardiology (ESC)

Leicester University

Cedars-Sinai Medical Center

Health Professionals Follow-Up Study

Boston University

Brocke McMaster University

 


Compartilhe




Anunciar

© 2013. Todos os direitos reservados.

Design: